A intersecção entre a rua
Augusta e a rua da Conceição
no dia 2 de Abril de 2020

João Farelo

9.01.2021 - 27.02.2021


COMUNICADO

Na sequência do anúncio do confinamento geral por parte do Governo, resultante do atual estado de emergência, e tendo em conta as diretivas que decretam o encerramento dos equipamentos culturais a partir das 00:00 da próxima sexta-feira, dia 15 de janeiro, a Curtas Metragens CRL anuncia a suspensão e adiamento da exposição "Primeiras Impressões de uma Paisagem", de João Nisa e do espaço Loja das Curtas a partir dessa data.

Em momento oportuno, e após comunicação por parte das autoridades responsáveis da reabertura dos recintos culturais, informaremos quando decorrerá a reabertura dos espaços da Solar - Galeria de Arte Cinemática.




Portugal, 2020 Instalação sonora multicanal, 60’, loop


A intersecção entre a rua Augusta e a rua da Conceição no dia 2 de Abril de 2020 (As energias de uma paisagem sonora de João Farelo)

A peça que João Farelo nos apresenta com este título corresponde a uma gravação feita durante o período de pandemia e é uma espécie de soundscaping que mostra como uma cidade continua a viver apesar das ruas desertas e do seu aparente adormecimento. Se, perante uma imagem, somos, frequentemente, convidados a vê-la com os ouvidos, perante uma paisagem sonora somos também, por vezes, convidados a ouvi-la com os olhos e com a pele. Quando ouvimos, aquilo que escutamos é sempre a energia e é ela que ressoa dentro de nós. E nesta peça ressoam muitas energias que fazem a sua melodia: mecânicas, cinéticas, vocais, tácteis, elétricas, latentes ou emergentes, convocando a presença das ausências. Da sua modulação e do seu concerto nasce o fluxo com que estes sons entram no nosso corpo e nos nossos sentidos: no princípio era a energia.

(João Maria André, professor universitário, escritor e encenador)


João Farelo
Vive e trabalha em Azeitão. Artista visual e sonoro, cujo trabalho reflecte a intersecção entre elementos do território e da paisagem.
Ao seu trabalho ‘Imagometria’ é atribuída a menção honrosa da bolsa Ernesto de Sousa, da Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Luso-Americana (2013).
Entre outros trabalhos tem participado em diversos festivais e residências de criação que se revelaram determinantes para a vontade de continuar a investigar e experimentar sobre arte, respectivamente: o 'Festival Urbano Pedras d'Água', com Carlos Zíngaro (2007); o 'Festival dos Oceanos', no Museu Nacional de História Natural e da Ciência (2011); o Programa de Residência de Criação Artística com o tema 'Os caminhos da mobilidade rural', produzido pela Associação Binaural (2014); e por fim (em 2015), o Programa de Residência de Criação Artística (pesquisa de campo e prática de estúdio), em Bruxelas, no Laboratório de Artes para a Música Experimental e Arte Sonora Q-O2.
Integra o Festival de Cinema VIENNALE, em Viena, com a live performance sonora realizada para o filme ‘Luz, clarão, fulgor - augúrios para um enquadramento não-hierárquico e venturoso’, de Sílvia das Fadas (2019).
No último par de anos tem colaborado como voluntário pelo mar no projecto ‘Ocean Alive’, a primeira cooperativa em Portugal dedicada à protecção do oceano.
Actualmente colabora como assistente no projecto 'Impressões de uma Paisagem', de João Nisa.

© 2021 Curtas Vila do Conde