Purpleboy na Solar - Galeria de Arte Cinem√°tica.

Purpleboy na Solar - Galeria de Arte Cinem√°tica.

Primeiros estudos visuais para

Primeiros estudos visuais para "Purpleboy"

Purpleboy

Purpleboy

Purpleboy

Purpleboy

Nota de Autor

Alexandre Siqueira

Tornei-me muito sens√≠vel ao tema da identidade de g√™nero depois de ler o livro ‚ÄúViagem Solit√°ria", que conta a hist√≥ria do autor Jo√£o W. Nery, o primeiro transexual a ser operado no Brasil. Ele fala da inf√Ęncia triste e confusa de um menino tratado como menina, do dif√≠cil percurso na adolesc√™ncia at√© chegar a fase de autoafirma√ß√£o. Vivi os meus primeiros 7 anos de vida no Brasil. Foi o in√≠cio dos anos 80 e o fim de um regime de ditadura militar que durou 21 anos. Nessa fase p√īs-se em pr√°tica v√°rios atos institucionais, a supress√£o das liberdades individuais e o estabelecimento de um c√≥digo de procedimento criminal militar que permitiu que o ex√©rcito e a pol√≠cia prendessem e aprisionassem sem direito a uma prote√ß√£o jur√≠dica, qualquer ‚Äúsuspeito". Meu pai foi paraquedista militar por 15 anos durante esse per√≠odo. Baseei-me em muitas mem√≥rias de inf√Ęncia para criar a rela√ß√£o entre o protagonista da hist√≥ria e o seu pai.
Oscar é um menino transgénero e é o protagonista da história. Como Oscar está enraizado e seu corpo ainda está em desenvolvimento, seus pais não sabem o sexo da criança. No entanto, o pai tem certeza de que ele é um menino. Por outro lado, o instinto materno faz acreditar que é uma menina. A criança vê o seu pai como um herói. Influenciado por diversos estereótipos do universo masculino, Oscar quer tornar-se como ele. No decorrer da história, o menino exige que seja tratado como um "homem", exprimindo-se verbalmente. Ele reivindica os símbolos da masculinidade, como o avião, a bola de futebol e o corpo masculino em geral - Oscar desenha um bigode no rosto.
A floresta tem uma carga simb√≥lica muito forte em Purpleboy. Representa a sociedade patriarcal, com claras influ√™ncias do per√≠odo da ditadura militar brasileira nos anos 70. Nessa floresta, vivem os meninos-lobos, personagens grotescas, frutos de uma educa√ß√£o machista. Desde cedo aprendem com os mais velhos a repudiar e a repreender aqueles que s√£o diferentes da ‚Äúnorma". Oscar √© a √ļnica personagem humana na hist√≥ria. A m√£e de Oscar √© uma galinha, a √ļnica personagem feminina. Todos os personagens secund√°rios masculinos s√£o lobos, que fortalecem o v√≠nculo entre o pai militar e os habitantes da floresta, criando uma esp√©cie de camaradagem entre eles. Essa conex√£o √© complementada pelo status quo representado pelos meninos lobo, que assumem as influ√™ncias de um regime opressor, vestindo uniformes militares. A escolha de dar um esp√≠rito fabulista, com animais antropom√≥rficos, permite acentuar a diferen√ßa entre Oscar e todos os outros, destacando seu lado bestial e prim√°rio como met√°fora da sociedade sexista. Essa caracter√≠stica desaparece no final apenas na m√£e-galinha, uma vez que ultrapassa as conven√ß√Ķes ao aceitar as escolhas do seu filho, tornando-se afetuosa, mais humana.

© 2022 Curtas Vila do Conde