Hugo Olim (set-reset) e Pedro Maia (super 8 series. portrait) são os criadores escolhidos para a segunda edição do Projecto pensar a imagem que resulta de uma parceria existente entre o Curso de Tecnologia da Comunicação Audiovisual (tcav) da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (esmae) / Instituto Politécnico do Porto (ipp) e o Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema através da Solar – Galeria de Arte Cinemática.

A nova proposta resulta de uma colaboração na qual as duas instituições que embora com identidades distintas, prosseguem objectivos comuns, no que concerne à divulgação de novos criadores que desenvolvem trabalho na área da fotografia, do cinema e do audiovisual relacionado com as imagens em movimento e o seu questionamento. Deste modo dá-se continuidade a uma nova proposta do projecto pensar a imagem estruturado mais uma vez a partir de dois trabalhos sobre a imagem e os seus referentes.

Os trabalhos expostos resultam das propostas que os dois antigos alunos do Curso de Tecnologia da Comunicação Audiovisual desen- volveram enquanto criadores especificamente para a galeria Solar. Do projecto faz ainda parte esta publicação que contribui para a reflexão desenvolvida através do enquadramento que é feito por especialistas na área, possibilitando igualmente que se prolongue no tempo e no espaço o acesso a estes exercícios sobre a imagem.

Estimular e apoiar o processo de criação de quem prossegue uma aposta num percurso artístico, complementar ao seu trajecto profissional, deve ser um dos pressupostos de uma instituição que tenda a valorizar a carreira dos seus diplomados. Nesse sentido o tcav em colaboração com a Solar – Galeria de Arte Cinemática propõe-se deste modo contribuir para o desenvolvimento dos seus trabalhos de experimentação e aumentar a visibilidade de novos “actores” que procuram afirmar uma identidade própria no território de uma produção artística contemporânea emergente.

O projecto pensar a imagem tem-se afirmado através de um processo no qual se desenvolve com base em jovens criadores uma reflexão/ questionamento sobre a imagem na sociedade contemporânea. Hugo Olim conceptualiza o seu projecto partindo de princípios de manipulação da imagem vídeo nas suas margens. Recorrendo à utilização de vídeos que reproduzem momentos da sociedade contemporânea, questiona deste modo os actuais processos comunicativos e o seu “ruído”, procedendo à sua descontrução através de técnicas de desfragmentação da imagem vídeo. Propõe-se “(...) desmistificar o ruído televisivo e as interferências electrónicas do vídeo, procurando com isto, confrontar a essência das imagens fotográficas com a estética do vídeo corrompido”.

Recorrendo a um alargado conjunto de procedimentos electrónicos de manipulação de imagem, estrutura o seu trabalho no sentido de “descobrir falhas que podem ocorrer no processo de produção de imagens audiovisuais”.

Pedro Maia trabalha sobre o papel da imagem enquanto suporte de registo da memória, partindo de película super 8 found-footage que foi coleccionando ao longo dos anos. Desenvolve o seu trabalho, na fronteira entre o filme retrato e o filme memória, partindo do conceito de retrato que encontra em filmes familiares de cineastas amadores os quais organiza e manipula num exercício sobre a “preservação da memória”.
Através da criação de camadas que resultam de uma intervenção sobre a película, constrói diferentes níveis de leitura, uns que buscam o lado invisível da imagem e dos subtextos e outros que transportam a uma percepção final global resultante de uma leitura mais imediata.
Com este processo transforma a estrutura narrativa tradicional do filme de família num registo representativo de uma linguagem que integra a cultura visual contemporânea, procedendo deste modo ao questionamento do próprio “valor” da imagem.

Hugo Olim, tal como o próprio afirma no seu curriculum, desenvolve o seu trabalho “no campo das artes visuais, mais concretamente no vídeo e na fotografia, onde experimenta e desenvolve trabalhos de manipulação e improvisação de imagens para sons e estéticas electrónicas.”
Tendo iniciado a sua formação na área em 1998, concluiu a Licenciatura Bietápica em Tecnologia da Comunicação Audiovisual do Instituto Politécnico do Porto no ano de 2003. Da sua formação é igualmente de registar a frequência de um Mestrado de Cultura Contemporânea e Novas Tecnologias.
Actualmente desenvolve como actividade principal a docência, leccionando disciplinas de vídeo e fotografia no curso de Arte e Design da Universidade da Madeira. Tem-se destacado desde 2003 até à actualidade no seu trabalho enquanto criador desmultiplicando-se numa constante actividade expositiva, através da qual tem apresentado projectos de fotografia e vídeo, em galerias, museus, festivais, bienais, a nível nacional e internacional.
A dinâmica que tem imposto à sua actividade enquanto autor tem-lhe permitido expor em espaços diversificados que abarcam as galerias independentes dos circuitos emergentes e os espaços públicos ou privados mais consagrados.

Pedro Maia, é um jovem criador que posteriormente à finalização dos seus estudos de licenciatura em Tecnologia da Comunicação Audiovisual do Instituto Politécnico do Porto, continuou a desenvolver um trajecto artístico/profissional coerente, conciliando a dimensão da prática profissional na área do cinema e do vídeo com um trabalho experimental na área da imagem enquanto realizador.
Tem apostado na divulgação da sua obra, participando em festivais e mostras apresentado deste modo os seus projectos a nível nacional e internacional.
Mantém desde 2004 uma colaboração activa na organização do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema desde 2004, na qual se destaca a responsabilidade pela organização da secção Take One!.
Na sua actividade profissional tem colaborado na função de assistente de realização em diversas longas-metragens apoiadas pelo ica, desenvolvendo complementarmente uma actividade de freelancer na área do vídeo e do multimédia.
De entre os seus projectos destacam-se as propostas que tem apresentado ao nível da manipulação de imagens em tempo real articuladas com som que desenvolve no âmbito do conceito live cinema.

José Quinta Ferreira
Prof. Adjunto ESMAE/ IPP
Coordenador da área de vídeo do TCAV

© 2017 Curtas Vila do Conde