CASAL

André Cepeda, 2009
Filme 16mm, cor, 1'25''

Por vezes tenho necessidade de filmar coisas que já fotografei. Para esta exposição, vou mostrar um filme de 16 mm. É um casal em que existe verdadeiramente um sentimento de amor trágico, de último amor, pois esse casal perdeu tudo. Eles vivem sem nada. Disseram-me que se não fosse o amor que sentiam um pelo outro já estariam loucos, separados. Isso tocou-me de tal forma que quis filmar o que eles sentiam. É um filme de um minuto e meio, com quatro planos diferentes, que me faz colocar a seguinte questão: O que é que é realmente importante? o que é que nos faz acordar todos os dias? o que é que nos faz acreditar e querer evoluir e construir? O que é que é realmente essencial se perdermos tudo?

André Cepeda

Nasceu em Coimbra em 1976. Começa a expor regularmente em 1999, ano em que realiza uma residência artística no Espace Photographique Contretype, em Bruxelas. Em 2001 realiza dois projectos em resposta a encomendas institucionais, a primeira no âmbito do Porto 2001 – Capital Europeia da Cultura, pelo Centro Português de Fotografia / Ministério da Cultura, e uma segunda para os Encontros da Imagem, pelo Museu da Imagem de Braga. Em 2002 é bolseiro do Centro Nacional de Cultura, e no ano seguinte realiza uma residência na António Henriques Galeria de Arte Contemporânea, em Viseu. Em 2006 realiza mais dois trabalhos sob encomenda, uma do Grupo RAR, no âmbito do projecto Um Olhar Sobre a RAR, comissariado por Miguel von Hafe Pérez, e outra da Reitoria da Universidade do Porto, para a exposição Depósito: Anotações sobre Densidade e Conhecimento, comissariada por Paulo Cunha e Silva. 2007 foi o ano da selecção para o Prémio EDP Novos Artistas e do desenvolvimento de um projecto, comissariado por Sérgio Mah, para o Instituto de Emprego e Formação Profissional. Em 2008, após ter exposto na Faulconer Gallery, em Grinnell (Iowa, EUA), no âmbito de uma exposição comissariada por Lesley Wright, realiza o projecto River, desenvolvido ao longo do rio Mississippi, apresentado na Galeria Pedro Cera, em Lisboa, em 2009 e publicado pela editora Chromma. No mesmo ano, participa na exposição Paraísos Indómitos, comissariada por Virginia Torrente e apresentada no marco – Museo de Arte Contemporánea de Vigo. Entre 2006 e 2009 desenvolve o projecto Ontem, apoiado pela Fundação Ilídio Pinho, apresentado pela primeira vez em 2008 na Galeria Zé dos Bois, em Lisboa, e que em 2010 é exposto no Espace Photographique Contretype em Bruxelas. Este mesmo projecto é publicado em livro pela editora Le Caillou Bleu, sediada em Bruxelas. No mesmo ano apresenta um novo projecto na Galeria Pedro Oliveira no Porto e faz várias exposições colectivas, tais como, Impresiones Y comentários – Fotografia Contemporánea Portuguesa, na Fundació Foto Colectania, com comissariado de João Fernandes e Mostra de Video Arte e fotografia Portuguesa no Centro de Artes Helio Oiticica, Rio de Janeiro, no Brasil com comissariado de Paulo Reis. Neste momento está a desenvolver 2 projectos de encomenda, para a Trienal de Arquitectura de Lisboa, comissariado por Delfim Sardo que será apresentado no CCB e Museu Berardo e para a Fundação Champalimaud. André Cepeda vive e trabalha no Porto e a sua obra está representada em diversas colecções públicas e privadas, em Portugal e no estrangeiro.

© 2017 Curtas Vila do Conde