Instalação a partir de

Instalação a partir de "É preciso que eu diminua"

Instalação a partir de

Instalação a partir de "É preciso que eu diminua"

É Preciso que Eu Diminua

Pedro Serrazina, 2016
Videoclipe para Samuel Úria, ANI, Preto e Branco, 4'18
Animação de Pedro Serrazina, Yue Wang, Gonçalo Encarnação e João Fortuna

Um filme sobre a necessidade de diminuir, sobre a vontade adiada de despojamento...
A ideia nasceu de pequenos esboços de escala, de um corpo que transcende os prédios, que originaram uma história própria que o espectador pode ouvir, ver e sentir em simultâneo. O resultado não poderia ser mais surpreendente: Pedro Serrazina interpreta o surrealismo poético de Samuel Úria, elevando e explorando novos caminhos para o tema que, para além de ser uma viagem interior, inaugura uma nova sonoridade do cantautor. A animação a preto e branco é marcada por uma delicadeza emocional rara, de forte impacto visual.

Pedro Serrazina

Pedro Serrazina

Pedro Serrazina

O seu primeiro filme, “Estória do Gato e da Lua”, estreou-se em competição no Festival de Cannes em 1996, distinguindo-se com quinze prémios internacionais. Nesse ano, mudou-se para Inglaterra para frequentar o curso de mestrado no Royal College of Arts. Desde então, tem combinado a carreira académica com o trabalho criativo em várias áreas, destacando-se: a instalação/animação em areia para o Museu Sefardita, em 2015, o filme “Os Olhos do Farol”, em 2010, e o livro de ilustrações “Pequenas Estórias Sem Importância”, em 2006. Foi diretor do curso de licenciatura em Animation Arts na University For The Creative Arts, Londres, e é professor convidado da Universidade Católica do Porto e da Universidade Lusófona. Atualmente, desenvolve a tese de doutoramento sobre “A criação do espaço como elemento narrativo no cinema de animação” e prepara, em simultâneo, o próximo filme, um documentário-animação.

Samuel Úria

Samuel Úria

Samuel Úria

Considerado um dos mais importantes escritores de canções da atualidade, Samuel Úria captou a atenção da imprensa portuguesa, em 2009, com o álbum “Nem lhe Tocava”. Em 2013, edita o LP "Grande Medo do Pequeno Mundo", um disco imediatamente acolhido pela crítica e pelo público, com participações dos músicos Manel Cruz e António Zambujo. Ganhou, em 2014, o prémio para a melhor canção do ano, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Autores, com o tema “Lenço Enxuto”. A carreira de Samuel Úria passa também pela composição de canções e letras para nomes importantes da música nacional como Ana Moura, António Zambujo e Clã. Lança, em 2016, o álbum "Carga de Ombro", produzido por Miguel Ferreira e novamente aclamado pela crítica.

© 2017 Curtas Vila do Conde