Biografia :: Ricardo Jacinto



Lisboa, 1975
Violoncelista, artista plástico e compositor focando a sua atividade artística e musical na relação entre som e espaço, ancorada numa pesquisa transdisciplinar entre Música, Arquitetura e Escultura. Desde 1998 apresentou o seu trabalho artístico em exposições, concertos e performances em Portugal e no estrangeiro e colaborou extensivamente com outros artistas, músicos, arquitetos e intérpretes. Formou-se em Arquitetura (FAUTL) e Escultura (AR.CO) e é atualmente Bolseiro da FCT enquanto investigador de Doutoramento em Música e Artes Sonoras no Sonic Arts Research Center da Queen´s University Belfast. Foi aluno na School of Visual Arts em Nova Iorque e artista residente na Cité International des Arts em Paris. É membro fundador do Colectivo OSSO: plataforma de criação e programação no âmbito dos cruzamentos disciplinares.

Apresentou o seu trabalho de instalação intermedia em exposições individuais e coletivas em locais como: Fundação Calouste Gulbenkian_Lisboa, CCB_Lisboa, Círculo de Belas Artes_Madrid, MUDAM_Luxemburgo, Centro Cultural Gulbenkian_Paris, Manifesta 08_Bienal Europeia de Arte Contemporânea_Itália, Frac Loraine_Metz, OK CENTRE_Linz_Áustria, Culturgest_Lisboa e Porto e Casa da Música_Porto. Em conjunto com o Arquiteto Pancho Guedes foi representante oficial de Portugal na Bienal de Arquitetura de Veneza 2006. Na Culturgest (Lisboa e Porto) apresentou em 2008 uma extensa revisão dos seus trabalhos de instalação e performance desde 1998. O seu trabalho artístico está representado em várias coleções de arte: Fundação de Serralves, Caixa Geral de Depósitos, Fundação Leal Rios, Fundação PLMJ, Coleção António Cachola e Fundação EDP. Entre 2006 e 2017 foi representado pela Agência de Arte Vera Cortês.

Como violoncelista tem sido ativo no campo da música improvisada e electroacústica em diversas formações e com diferentes músicos: Jean Luc-Guionnet, Nuno Torres, Pascal Niggenkemper, Angelica Salvi, João Pais Filipe, Rodrigo Pinheiro, David Maranha, Norberto Lobo, Ernesto Rodrigues, Luís Lopes, Pedro Rebelo, C Spencer Yeh, Diogo Alvim, Shiori Usui, Manuel Mota, Simon Rose, Adriana Sá, Gustavo Costa, Helena Espvall, Miguel Carvalhais, entre muitos outros. Já se apresentou em concerto em diferentes locais em Portugal e no estrangeiro: Fundação de Serralves_Porto, Palais de Tokyo_Paris, Festival VERBO_São Paulo, Festival Temps d'Images_Lisboa, Festival Rescaldo_Lisboa, Festival BigBang_CCB_Lisboa, Culturgest_Porto e Lisboa, ZDB_Lisboa, DanceBase_Edimbrugh, Ausland_Berlin, Kabinett 0047_Oslo, Stadtgarten_Koln, Ferme du Buisson_Paris, Teatro Maria Matos_Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian_Lisboa/Paris ou Festival ENSEMS_Valencia. Actualmente é membro do quarteto de cordas Beat the Odds (dir. Pascal Niggenkemper c/ Elisabeth Codoux e Felicie Bazelaire), do trio Harmonies (c/ Joana Gama e Luis Fernandes), do trio The Selva (c/ Gonçalo Almeida e Nuno Morão), do quarteto de Norberto Lobo (c/ Marco Franco e Yaw Tembe), do Ensemble Lisbon Freedom Unit (c/ Luis Lopes, Rodrigo Amado, Pedro Lopes, Gabriel Ferrandini, Bruno Parrinha, Hernani Faustino e Rodrigo Pinheiro) e do duo CACTO (c/ Nuno Torres). Depois de dirigir o coletivo PARQUE entre 2001 e 2013, com apresentação de exposições e concertos nos principais centros de arte contemporânea portugueses (CAM_Gulbenkian, Culturgest ou CIAJG), desde 2014 tem apresentado o seu projeto a solo Medusa (concerto-instalação para violoncelo, eletrónica e objetos ressonantes) em Portugal e Europa: Lisboa, Porto, Guimarães, Cáceres, Belfast, Cork, Dublin, Odense ou Paris.

A sua discografia está editada pela Clean Feed, Shhpuma e Creative Sources, incluindo também várias colaborações em discos de @C, Phonopticon (Sonoscopia) ou Variable Geometry Orchestra (dir. Ernesto Rodrigues). Tem colaborado também em projetos de Dança e Performance como Compositor/Improvisador ou Cenógrafo: Marlene Freitas, Beatriz Cantinho, Cão Solteiro ou Marino Formenti.

© 2018 Curtas Vila do Conde