Scratch, vídeo, 3 monitores, som, 1:17’, loop, 2009

Scratch, vídeo, 3 monitores, som, 1:17’, loop, 2009

Scratch

Scratch √© um trabalho pensado para este espa√ßo ‚Äúde arte cinem√°tica‚ÄĚ, introduzindo uma liga√ß√£o com a mem√≥ria da pel√≠cula como objecto pass√≠vel de ser sujeito a experi√™ncias sobre a sua pr√≥pria mat√©ria, ao contr√°rio do digital, em que n√£o existe mat√©ria.

A Pra√ßa, v√≠deo, 3 projec√ß√Ķes, som, tempos variados, loop, 2007-2009

A Pra√ßa, v√≠deo, 3 projec√ß√Ķes, som, tempos variados, loop, 2007-2009

A Praça

A pra√ßa Djemaa el Fna em Marraquexe √© desde sempre um encontro de pessoas e culturas. Aqui come√ßa o deserto e finda aquilo a que chamamos de civiliza√ß√£o. Hoje misturam-se aqui grupos de turistas, que acabam por ser a raz√£o imediata da ainda exist√™ncia deste fen√≥meno. O local est√° na lista dos ‚Äúpatrim√≥nios intang√≠veis‚ÄĚ da Unesco, devido √† presen√ßa constante de contadores de hist√≥rias berberes, de m√ļsicos, de dan√ßarinos, de pequenos circos, e foi cen√°rio de algumas pel√≠culas conhecidas. Esta instala√ß√£o documental consiste em duas projec√ß√Ķes diurnas e uma nocturna, que se entrecruzam e se relacionam de formas diferentes a cada visionamento, dado os seus tempos de rein√≠cio nunca coincidirem. O som das tr√™s filmagens √© sobreposto no mesmo canal, maximizando uma experi√™ncia virtual de um espa√ßo √ļnico e complexo na sua geometria e no seu aparente caos.

A Perfect Day, v√≠deo, projec√ß√£o, som, 40¬ī, loop, 2002-2005

A Perfect Day, v√≠deo, projec√ß√£o, som, 40¬ī, loop, 2002-2005

A Perfect Day

Baseado na escrita de Georges Perec, este v√≠deo √© uma longa sequ√™ncia de postais de c√©us azuis radiantes ao som de um curto loop do refr√£o da conhecida m√ļsica de Lou Reed com o mesmo t√≠tulo. Ao espectador resta deixar-se embalar por este aborrecido e monoc√≥rdico trabalho em que imagens de praias sucedem a imagens de hot√©is e estas a imagens de cidades e de montanhas intermin√°veis. O trabalho foi realizado e apresentado em Nova Iorque ap√≥s o 11 de Setembro, que segundo uma testemunha ‚Äúwas such a perfect day‚ÄĚ, e faz parte de uma s√©rie de trabalhos com este t√≠tulo.

Theresienstadt, vídeo, projecção, som, 90', loop, 2007

Theresienstadt, vídeo, projecção, som, 90', loop, 2007

Theresienstadt

Através de uma tintagem e de um desacelaramento da velocidade dos restos da película desaparecida, recuperando assim a suposta duração original, este trabalho tenta encontrar alguma verdade nos excertos que restam de um filme de propaganda nazi sobre um campo de concentração modelo. Este trabalho insere-se em Terezín, um largo projecto editado em livro e dvd.

Now Remember, vídeo, 6 i-pod, som, +/-15’ cada, loop, 2008

Now Remember, vídeo, 6 i-pod, som, +/-15’ cada, loop, 2008

Now Remember

Seis mon√≥logos inspirados por Georges Perec. Seis pessoas foram colocadas em frente de uma c√Ęmara e tiveram quinze minutos improvisados para recordarem livremente o passado, o presente e o futuro. Ao serem apresentados em i-pods, permitindo assim apenas o visionamento e a audi√ß√£o por uma pessoa s√≥, estes trabalhos transportam novamente as reminisc√™ncias pessoais de cada entrevistado, que se tornaram p√ļblicas ao serem registadas, para a mem√≥ria pessoal e para a experi√™ncia singular de cada espectador.

What is left is right, what is right is wrong, vídeo, monitor, som, 5.15', loop, 2009

What is left is right, what is right is wrong, vídeo, monitor, som, 5.15', loop, 2009

What is left is right, what is right is wrong

Um exerc√≠cio a partir de uma cena de Fred Astaire em Casamento Real, em que foi utilizada uma t√©cnica de cen√°rio e c√Ęmara rotativos, para simular aus√™ncia de gravidade. O mesmo sistema foi mais tarde utilizado e potenciado por Stanley Kubrick em 2001-Odisseia no Espa√ßo para o mesmo efeito. Neste v√≠deo, a imagem e o som s√£o invertidos, verticalmente e horizontalmente, provocando uma sensa√ß√£o de desfasamento e estranheza.

A Perfect Day at Wannsee, vídeo, projecção, som, 27.43’, loop, 2008

A Perfect Day at Wannsee, vídeo, projecção, som, 27.43’, loop, 2008

A Perfect Day at Wannsee

A Perfect Day at Wannsee insere-se em v√°rias tem√°ticas abordadas anteriormente, nomeadamente os v√°rios projectos que integram a s√©rie A Perfect Day e os trabalhos em torno da hist√≥ria de fam√≠lia e da mem√≥ria do nazismo. A 20 de Janeiro de 1942, um grupo de oficiais superiores reuniu-se numa das luxuosas resid√™ncias perto do lago Wannsee. A raz√£o para este encontro era o intuito de melhorar o aproveitamento dos recursos dispon√≠veis e acelerar o desaparecimento de todos os judeus na Europa, A ‚Äúsolu√ß√£o final para a quest√£o judaica‚ÄĚ √© assim parte fundamental da minuta da Confer√™ncia de Wannsee, que omite e substitui por eufemismos as palavras exterm√≠nio, aniquila√ß√£o, assass√≠nio ou liquida√ß√£o. Nesta reuni√£o foi igualmente decidida a cria√ß√£o do campo de concentra√ß√£o de Theresienstadt. A Perfect Day at Wannsee √© constru√≠do a partir de um plano e do seu contra-campo. A primeira parte, uma imagem distante e buc√≥lica da praia do outro lado do lago, √© rodada a partir do terra√ßo da casa onde a confer√™ncia nazi teve lugar. A segunda parte do v√≠deo √© filmada no lado oposto, na praia de Wannsee e √© apenas nos √ļltimos minutos do v√≠deo que temos uma vis√£o integral da casa, enquanto escutamos uma voz em alem√£o atrav√©s dos altifalantes anunciar o fim do dia aos banhistas. Este trabalho foi concebido a partir de uma recorda√ß√£o de um jovem judeu americano: quando se encontrava em Berlim por alguns meses, foi convidado para um dia de banhos por uns amigos alem√£es. Quando l√° chegaram percebeu que estes o tinham levado a um local, cujo nome conhecia h√° muito e que estava directamente ligado √† morte dos seus antepassados.

A Ausência, vídeo, projecção, som, 20.26’, loop, 2009

A Ausência, vídeo, projecção, som, 20.26’, loop, 2009

A Ausência

Inspirado em La Disparition de Georges Perec, um romance escrito sem utilizar a letra E, este trabalho consiste numa remontagem do clássico A Bout de Souffle de Jean-Luc Godard, na qual todos os planos com a personagem principal, o papel de Jean-Paul Belmondo, desapareceram. O que resta nesta ausência é a nossa memória cinematográfica, que, instintivamente, tenta preencher este vazio, à volta do qual tudo parece girar.

Lichtspiele, 3 caixas de luz, 2009

Lichtspiele, 3 caixas de luz, 2009

Lichtspiele

A palavra alem√£ original para cinema ‚Äújogo de luz‚ÄĚ, √© aqui relembrada para denominar estes trabalhos, que reutilizam fragmentos de pel√≠cula cinematogr√°fica aplicados em caixas de luz. Estes bocados de filme remetem para a constru√ß√£o e projec√ß√£o de um filme ao inclu√≠rem fotogramas da claquete e instru√ß√Ķes para o projeccionista e ao serem suspensos artesanalmente com a fita autocolante utilizada normalmente em rodagens de cinema.

© 2022 Curtas Vila do Conde